Com o aumento da volatilidade e da liquidez nos mercados em todo o mundo, os modelos matemáticos tornaram-se ferramentas importantes para otimizar o perfil de risco-retorno das carteiras de investimentos.

Nossa escolha pelo uso de modelos matemáticos na gestão de investimentos deriva de uma série de princípios e fatores nos quais acreditamos. Dentre estes princípios podemos destacar:

• Os mercados são muito mais arriscados do que percebem a maioria das pessoas, até mesmo para os profissionais da área.

• As fraquezas das teorias financeiras amplamente aceitas implicam em dizer que o sistema financeiro global é altamente vulnerável, o que já está bem documentado pela história das "crises financeiras";

• A moderna teoria financeira assume que os preços dos ativos flutuam aleatoriamente dentro de um suposto intervalo "normal". Porém as flutuações dos preços não são puramente aleatórias e o suposto intervalo "normal" não pode conter todas as flutuações de preços observadas;

• Os movimentos dos preços dos ativos não são suaves, eles são bruscos!;

• Os mercados são semelhantes em todos os lugares, em diferentes escalas de tempo;

• Na essência, os mercados financeiros são sistemas complexos onde a não linearidade e a dimensão fracionária são regras.

Estes elementos ora elencados nos deixam confiantes na abordagem quantitativa para gestão de investimentos.

Adicionalmente, a gestão de riscos é parte integrante de todas as nossas atividades, tanto na gestão dos investimentos como em aspectos operacionais. Acreditamos que se trata de uma tarefa de toda a nossa equipe. Nossa crença é de que o sucesso no longo prazo não requer apenas a mitigação de risco no dia-a-dia, mas que também é uma preparação cuidadosa para eventos raros e uma atenção incomum com os detalhes nas áreas de operação, tecnologia, compliance entre outras áreas importantes para a sustentabilidade do negócio.